As testemunhas de plenário, até o máximo de cinco, deverão ser arroladas pelas partes quando intimadas para esse fim, o que ocorrerá após o trânsito em julgado da pronúncia, conforme estabelecem os arts. 421, caput, e 422 do CPP. Neste momento, extrai-se do art. 461 do CPP que acusação e defesa poderão proceder de duas formas:

 

Indicação de testemunhas com cláusula de imprescindibilidade: Trata-se da hipótese em que a parte interessada, ao arrolar uma ou mais testemunhas, declara não prescindir dos respectivos depoimentos. Nesse caso, deverá requerer a intimação das testemunhas consideradas imprescindíveis por mandado, a ser cumprido por oficial de justiça nos endereços que indicar. Se, devidamente intimadas, essas testemunhas não comparecerem, caberá ao juiz-presidente adotar uma das seguintes providências (art. 461, caput, 2.ª parte, e § 1.º, do CPP): 1.ª) Suspender os trabalhos e mandar conduzir imediatamente as testemunhas faltosas; 2.ª) Adiar o julgamento para o primeiro dia desimpedido, ordenando, igualmente, a condução coercitiva das testemunhas que, injustificadamente, não se fizeram presentes.

 

Indicação de testemunhas sem cláusula de imprescindibilidade: Nesta situação, se requerida a intimação das testemunhas pelo interessado e se, apesar de adotadas pelo juízo as providências necessárias a essa intimação, deixarem elas de comparecer à sessão, o julgamento não será adiado (art. 461, caput, 1.ª parte, do CPP), ficando sob a discricionariedade do juiz-presidente ordenar ou não a condução coercitiva.

 

Em um e outro caso, havendo requerimento das partes, é certo que deverá o juízo adotar as providências necessárias à intimação da testemunha. A ausência das medidas necessárias a essa intimação (v.g., por falha do cartório ou por lapso do juiz em determiná-las) importará, caso seja realizado o julgamento, em nulidade processual, tipificada no art. 564, III, h, do CPP.

 

Site on criminal justice in the Brazilian system. 
Sitio web sobre justicia penal en el sistema brasileño. 
Site sur la justice pénale dans le système brésilien.

Norberto Avena